O diagnóstico na Saúde Integrativa

Quando falamos de saúde integrativa acionamos um radar que nos leva a refletir e analisar todos aqueles aspectos que nos proporcionam o nosso bem estar físico, emocional e mental.

Uma insatisfação em algum aspecto da nossa vida pode nos levar a ter um sintoma ou sofrimento e muitas vezes, para que a cura integral possa existir, precisamos tirar uma radiografia completa sobre essa alma que está à nossa frente.

É importante lembrar que seres humanos são complexos e diante dessa complexidade, fechar diagnósticos baseados em duas ou três informações é tirar do individuo a sua potencialidade e a totalidade do seu ser. Cabe lembrar que a causa de uma determinada situação muitas vezes não é vista a olho nu (muitas vezes nem com radiografias). É necessário investigar a história de vida, relações familiares, ambiente ao qual vive e o sentido que a pessoa põe em relação a esse sofrimento, doença ou sintoma.

Diante dessa complexidade, a busca por resultados ou diagnósticos rápidos nos leva a tratar apenas a ponta do iceberg. Curamos o sintoma, mas não curamos a causa.

Devemos propor um tratamento multifacetado e olhar os vários ângulos e faces do individuo. Como é a sua relação familiar? Como é a sua alimentação? A quanto anda sua satisfação profissional? Como é a sua respiração e digestão? Como é o lugar que você reside? E aqui muitas outras questões que tem como finalidade olhar a totalidade do ser.

Saúde integrativa é, então, reconhecer o individuo como uma alma que quer ser vista e escutada. Refletir sobre os aspectos que te conduzem a sentir o que sente, a pensar o que pensa.

Portanto, quando tiver a oportunidade de tocar um outro ser, lembre-se que tudo o que vem a você é também a sua alma pedindo a experiência daquele encontro.


Diga Sim à Felicidade

Psicóloga Carolina Mirabeli CRP 06/69647

Rua Padre Chico, 221 conj. 616 Perdizes São Paulo-SP